Karolina Vieira

Com a proximidade do fim do ano, a situação de bolsas disponíveis no Hemocentro em Goiânia se agrava. É nesse período que a demanda aumenta ainda mais para atender urgências e emergências. Atualmente, a unidade está funcionando apenas com 10% de seu estoque. O Hemocentro tem capacidade de receber 250 doadores por dia, mas faz em média apenas 70 atendimentos diários, pouco menos de 30% de sua capacidade.

No próximo sábado (25) é comemorado o Dia Mundial do Doador de Sangue e, durante a próxima semana, o Hemocentro realiza atividades para divulgar a importância da doação. Uma única bolsa de sangue pode salvar a vida de quatro pessoas, já que o sangue doado é fracionado em componentes sanguíneos (hemácias, plasma, plaquetas e crioprecipitado). Pode ainda, salvar até 10 crianças, pois uma bolsa pode ser dividida de acordo com a necessidade do paciente.

O Diretor administrativo do Hemocentro, Arione de Paula, afirma que as pessoas ainda precisam se atentar para a necessidade de doar. Ele avalia que a população e a expectativa de vida das pessoas aumentaram, mas o doador não se conscientizou para acompanhar a velocidade do crescimento da demanda de sangue. “A população ainda não se conscientizou que sangue é vida. Não tem similar, não se compra em farmácia. Só com o ato de o doador ir ao Hemocentro é que nós vamos continuar salvando vidas”, enfatiza Arione.

Para fazer a doação, é preciso estar bem alimentado, dormido ao menos 6h de sono na noite anterior e não ingerir alimentos gordurosos ou bebidas alcoólicas. Também é necessário ficar sem fumar pelo menos duas horas antes da coleta do sangue. Os interessados em doar constantemente devem respeitar um intervalo entre as coletas. O recomendado é um período de 60 dias para homens e 90 dias para mulheres.