Karolina Vieira

Um surto de conjuntivite que atingiu a cidade de Caldas Novas, município turístico que fica na região Sul do Estado, tem preocupado moradores e visitantes que costumam tomar conta das hospedagens e complexos aquáticos locais no período de férias. Só nos últimos 10 dias foram registrados cerca de 500 casos da doença na cidade.

A grande ocorrência da doença com causas ainda desconhecidas motivou a formação de uma força-tarefa do Ministério da Saúde (MS) em conjunto à Secretaria Estadual de Saúde (SES) que está Caldas Novas para combater o surto.

Segundo o Coordenador do Núcleo de Vigilância Epidemiológica de Caldas Novas, José Custódio Pereira Neto, para conter a situação um estudo está sendo realizado na cidade. “Os técnicos da saúde também estão fazendo coletas de amostragens para identificar as pessoas que tiveram a enfermidade e os lugares que elas visitaram e que também estiveram hospedadas. Assim será possível fazer o mapeamento completo e criar políticas públicas para reduzir os casos. Também vamos conseguir identificar se a origem da doença é bacteriana ou viral”, esclarece acerca das análises que devem apresentar os primeiros resultados em uma semana.

Caracterizada pela inflamação da conjuntiva – membrana transparente que recobre o globo ocular e a parte interna da pálpebra –, a doença pode ser causada por agentes tóxicos, alergias, bactérias ou vírus. Contudo, diante do material colhido até agora, os especialistas descartam a existência de agente viral no ocorrido.

Mais frequente justamente durante o verão e potencializada pela presença de muitas pessoas em um mesmo ambiente possivelmente contaminado, a conjuntivite não é grave. Para todos os efeitos, a inflamação provoca muito incômodo – vermelhidão, dor e coceira – e alguns cuidados de higiene devem ser tomados para diminuir o risco de contágio como a utilização de álcool gel para assepsia frequente das mãos, evitar o compartilhamento de cosméticos, limpeza do rosto rotineira do rosto com uso de toalhas limpas dentre outras.

De acordo com dados da Secretaria de Saúde de Caldas Novas o número de casos aumentou 30% em relação ao ano passado. Só a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) tem registrado cerca de 50 casos da doença por dia. Na cidade, os turistas podem procurar outros 17 postos de saúde e o Centro Médico de Especialidades.

A secretaria também reforçou as campanhas em clubes e hotéis para evitar a propagação da doença que ciclo médio de 15 dias. A expectativa é que até a próxima semana seja concluído o levantamento que vai auxiliar na identificação dos agentes contaminantes e dos motivos que aceleraram a propagação da doença.