Você é daqueles que não dispensa uma balada? E nem aquele encontro com os amigos no final de semana e está sempre tomando drinks ou uma cervejinha? Cuidado! A quantidade de bebida alcoólica que você ingere diária ou semanalmente pode afetar sua expectativa de vida. Além disso pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares e câncer e, ainda, causar dependência química da substância.

Buscando conscientizar a população sobre a doença e prejuízos causados pelo consumo excessivo de álcool, 18 de fevereiro foi instituído como o Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo. E durante toda a semana são realizadas ações de alerta, visto que o consumo de bebidas alcoólicas pelos brasileiros subiu de 6,2 litros de álcool puro, em 2006, para 8,9 litros em 2016, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). A média mundial é de 6,4 litros.

 

Qual a quantidade aceitável de bebida alcoólica?

O volume de álcool atualmente aceitos pela comunidade científica internacional não deve ultrapassar a quantidade de 20 gramas por dia para mulheres e pessoas idosas. Para os homens a quantidade é de 30 gramas por dia. Considerando 1 drink a medida de qualquer bebida que contenha cerca de 14 gramas de álcool, teremos: 1 taça de vinho (150 ml com teor alcoólico de 12%), 1 lata de cerveja (350 ml com teor alcoólico de 5%) ou 45 ml de uísque (uma dose com teor alcoólico de 40%).

Porém, para se encaixar no volume aceitável de consumo, é preciso seguir alguns  critérios:

  • Não beber todos os dias – devem haver pelo menos 2 dias na semana sem consumo de álcool;
  • Homens não devem beber mais do que a medida de 2 drinks em um único dia;
  • Mulheres e pessoas acima de 65 anos não devem beber mais do que a medida de 1 drink por dia;

 

Quais os prejuízos para o organismo e doenças causadas pelo álcool?

De acordo com dados da OMS,  as bebidas alcoólicas estão relacionadas a 10% dos cânceres de intestino grosso e 8% dos cânceres de mama. Seu uso nocivo é um fator causal para mais de 200 doenças e condições de lesão. O consumo excessivo e prolongado do álcool causa irritações na mucosa estomacal, que pode evoluir para uma gastrite (ardência, queimação, dores de cabeça).

Além disso, consequências mais graves do abuso são o aumento da pressão arterial, problemas no fígado, coração e pâncreas, hepatite e cirrose. O álcool também pode ocasionar, ou ser um fator agravante, para várias doenças, tanto fisiológicas como psicológicas e comportamentais.

 

Teste para monitorar seu consumo de álcool

Responda o questionário abaixo retirado do site MD Saúde e some seus pontos para saber o risco de desenvolver alcoolismo e problemas relacionados ao álcool.

  • 0-7 pontos – baixo risco de haver problemas relacionados ao álcool.
  • 8-15 pontos – risco moderado de haver problemas relacionados ao álcool, possibilidade de já haver dependência.
  • 16-19 pontos – risco elevado de haver problemas relacionados ao álcool e dependência
  • 20 pontos ou mais –  presença de problemas relacionados ao álcool e elevado risco de haver dependência também.