Transmissor de doenças, como dengue, zika e chikungunya, o mosquito Aedes aegypti tem sua proliferação mais propícia durante o verão. Isso ocorre por causa da combinação do calor com chuvas. Consequentemente, com um risco de infecção por essas doenças, o Ministério da Saúde recomenda cuidado redobrado para as famílias com viagens programadas.

É importante verificar espaços dentro e fora de casa para eliminar todo e qualquer recipiente que possa acumular água e se transformar em criadouros do mosquito. Vasos de plantas, baldes, garrafas e outros recipientes vazias devem ser deixados de cabeça para baixo para não acumularem água.

 

Para quem vai viajar, é importante se proteger com repelentes

Dependendo dos destinos durante o feriado de Carnaval, é preciso verificar quais cuidados devem ser tomados, como uso de repelentes e utilização de roupas mais claras, que facilitam a visualização do mosquito. Áreas com muita vegetação, por exemplo, são ainda mais propícias a terem grande circulação de mosquitos. Alguns estados e municípios têm maior recorrência das doenças e eles podem ser consultados neste link.

 

Para quem estiver em casa, aproveite para eliminar possíveis riscos

A prevenção deve fazer parte da rotina da casa e toda a família deve ajudar nas tarefas que devem ser diárias. As medidas de prevenção são:

  • manter bem fechados tonéis, caixas e barris de água
  • lavar semanalmente com água e sabão tanques utilizados para armazenar água
  • remover galhos e folhas de calhas e não deixar água acumulada sobre a laje;
  • encher pratinhos de vasos com areia até a borda;
  • trocar água dos vasos e plantas aquáticas uma vez por semana;
  • colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas e fora do alcance de animais
  • manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo;
  • acondicionar pneus em locais cobertos;
  • fazer sempre manutenção de piscinas;
  • tampar ralos;

 

Prefira inseticidas e repelentes industriais

Inseticidas, usados para matar mosquitos adultos, e repelentes ambientais também podem ser adotados no combate ao mosquito. Porém, devem estar registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os cuidados e precauções descritas nos rótulos. Os inseticidas “naturais” à base de citronela, andiroba e óleo de cravo, entre outros, não possuem comprovação de eficácia nem a aprovação pela Anvisa, até o momento.

 

Cuidados devem se estender ao resto do ano

A atual campanha publicitária do Ministério da Saúde traz o slogan O perigo é para todos. O combate também. Faça sua parte. Com ações simples podemos combater o mosquito. A recomendação é unir forças, governo e população, para prevenir e derrotar o mosquito. A vigilância deve ser constante e, por isso, o MS tem divulgado informações em suas redes sociaisvídeos tutoriais no Youtube que orientam a população a realizar as vistorias em casas, prédios e espaços abertos.

Quando o foco do mosquito Aedes Aegypti é detectado e não pode ser eliminado pelos moradores ou pela população, a Secretaria Municipal de Saúde deve ser acionada para remover os possíveis focos/criadouros. Isso ocorre em terrenos baldios ou lixos acumulados na rua.