Karolina Vieira

Uma criação de pesquisadores americanos promete colocar fim no martírio de várias pessoas: um adesivo com agulhas que, de tão microscópicas, não podem ser vistas a olho nu e funciona tão bem quanto a “picadinha” convencional. Uma vez na pele, o princípio ativo da vacina acessa o restante do corpo. De acordo com os pesquisadores, a eficácia foi semelhante à obtida com as doídas injeções intramusculares, e a resposta imune continuou presente mesmo após seis meses.

O medo de agulha assombra muita gente e tem até nome médico para isso: aicmofobia. Para pacientes com esse distúrbio, o pavor de seringas e injeções faz com que o simples ato de comparecer a um posto de saúde para receber uma vacina vire um ritual de tortura. Isso é ainda pior no que diz respeito a imunizações sazonais, como as da gripe. Agora, o dispositivo promete acabar com esse sofrimento. E o melhor, sem dor nenhuma, já que pode ser aplicado facilmente na própria pele.

A técnica foi testada com sucesso em 100 pacientes, conforme o estudo. As cobaias tinham entre 18 e 49 anos, e não foram imunizadas na temporada de vacinação 2014-2015 promovida nos EUA. “Normalmente, para conseguir uma vacina para gripe você precisa consultar um especialista de saúde, que irá aplicá-la usando uma agulha hipodérmica. A vacina precisa ser mantida na geladeira e a agulha utilizada tem que estar armazenada da forma correta”, explica Mark Prausnitz, um dos autores do estudo.

“No caso do método do adesivo, você poderia comprá-lo em uma farmácia e levar para casa. Após colocar em sua pele por alguns minutos e retirá-lo, o descarte pode ser feito de maneira segura – já que as microagulhas dissolvem em contato prolongado com a pele. Há também a vantagem dos adesivos poderem ser guardados fora da geladeira, o que os torna mais acessíveis”, completa o pesquisador.

A ideia dos pesquisadores é agora expandir a utilização do dispositivo também para outras doenças, como poliomielite, sarampo e rubéola. Eles também vão realizar os testes com o adesivo em um número maior de voluntários no próximo experimento.